Mães e Mulheres

Dá para sermos mães e mulheres SIM!

Nascemos mulheres, com todas as letras, lutas e peso que este sexo carrega.

Nos tornamos mães, leoas, heroínas. Enfrentamos tudo pelos nossos filhos, fazemos de tudo por eles, desde comprar uma chupeta por sessenta reais, até ficar de joelhos brincando de cavalinho, mesmo depois de um dia inteiro de trabalho.

Porque ser mãe é isto. Não medir esforços pelo sorriso de nossos filhos.

Mas e a mulher que somos? Por que esquecemos dela?

Sim, viramos mãe e somos responsáveis por um pequeno ser, cuidamos daquela extensão de nosso corpo com todo o amor que existe que esquecemos até de nos amar.

Eu vivi durante dois anos com a minha filha em casa, vivi intensamente, desde horas acordada com ela no peito, febre na madrugada, lutas contra o sono, tudo o que a gente sabe que filho faz, e tudo me fez ser a mãe que sou hoje. Mas decidi sair de casa, estudar, trabalhar e lembrar um pouco de mim. Acho lindo quem larga tudo pra exercer a profissão de mãe. Há quem diga que é o melhor emprego do mundo. O único, porém é que você não tem férias, não tem décimo terceiro, não tem dia de folga. Ser mãe em tempo integral é SIM O TRABALHO MAIS DIFÍCIL DO MUNDO!

Você pode dizer que ama sim. Eu também amo! Mas, tem dias que a única coisa que passa pela cabeça é FUGIR, SAIR CORRENDO, NUNCA MAIS OUVIR GRITOS E BIRRAS, até que ele te olha com aqueles pequenos olhos imensos, com um sorrisinho de canto de boca e você esquece tudo. Já sente orgulho de tudo o que faz.

Eu amo a minha filha, mais do que eu posso tentar escrever neste pequeno post, e, lembrar-se de mim não quer dizer que estou esquecendo ela.

A maternidade nos faz sentir culpadas. Aliás, a culpa é a companheira de toda mãe.

Você pode dizer que é uma mãe desencanada, que já aprendeu que errar faz parte, mas em algum momento da sua vida, a culpa vai estar ali te encarando.

Eu não vou mentir. Sair de casa para estudar e trabalhar foi um choque pra mim. Eu chorava durante as noites me sentindo a pior mãe do mundo. Por vezes me chamei de egoísta, sentia que estava abandonando a minha filha. Foi bem complicado. Precisei de todo apoio e muita conversa com meu marido e amigos. Todos me diziam as mesmas coisas: “Você também está fazendo isto por ela!”, “Ela vai se orgulhar de todo este esforço!”.

Bom, se eu estava fazendo por ela também, por que sentia que não?

Sabe por quê? Porque a sociedade julga a mãe que escolhe sair de casa, que tenta descomplicar a vida, que acredita que tempo de QUALIDADE é melhor que QUANTIDADE.

Eu trabalho, eu estudo, eu volto pra casa e sou a melhor mãe que posso ser. Sem peso na consciência. Em paz comigo.

A sociedade vai sempre estar te apontando. Descomplica o pensamento. Comece por você. Dissemine essa ideia entre as amigas. A mãe que fica em casa e cuida em tempo integral, que largou tudo para se dedicar aos filhos é a melhor mãe do mundo. A que faz o contrário de tudo isto, também!

 




Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *