Meu filho não come: como estimular a alimentação das crianças.

Alimentação infantil pode ser complicada. Aprenda a estimular os pequenos!

Sem dúvida, uma parte da nossa vida de mãe que pode ser muito complicada é a alimentação das crianças. Não raro encontro mães que dizem “meu filho não come” e, em muitos casos, o estresse costuma ser frequente durante as refeições.

É claro que existem diversos graus de seletividade alimentar e sempre devemos procurar ajuda profissional (de nutricionistas, pediatras e/ou psicólogos) quando essa seletividade prejudica a saúde e a convivência social dos nossos filhos. É o caso de uma criança que deixa de fazer um passeio com os amigos porque lá não terá o que comer.

Por outro lado, nós mesmas, mães, podemos adotar algumas posturas simples, mas poderosas, capazes de estimular a curiosidade dos pequenos em relação às frutas, legumes e verduras. A boa notícia é que podemos descomplicar a educação alimentar dos nossos filhos. Mas como?

Desde a introdução alimentar da minha filha, tenho adotado estratégias que têm contribuído para a minha princesa se manter motivada a comer e experimentar os alimentos. São formas simples, descomplicas e que têm dado certo aqui em casa.

Vou divida-las agora com vocês.

10 formas de estimular a criança pequena a amar os alimentos:

  1. Leve seu filho para as compras

Está sem tempo para comprar frutas, legumes e verduras? Muitas mães preferem fazer isso sozinhas, pois acreditam que assim farão essa “tarefa árdua” mais rapidamente. Mas você pode fazer desse momento uma oportunidade de mostrar à criança a variedade de alimentos que a natureza oferece. Cheirem juntos as frutas antes de colocá-las no saco plástico, envolva seu pequeno, deixe ele ajudar colocando os itens no saco, por exemplo. Contem juntos quantas maçãs estão pegando. Fale sobre as cores. “Agora faltou a gente pegar algo verde! ”. Seja criativa para fazer desse momento um passeio especial de vocês.

  1. Sinta mais amor e menos ressentimento

Sabe quando você se esforça para fazer uma comida gostosa e aí seu filho diz que não gostou? A dica é não guardar mágoa. É normal às vezes nossos filhos não gostarem da nossa comida, afinal, eles são seres humanos e, como nós, têm dias que estão com menos fome, assim como têm dias em que a gente não acerta no tempero. Não deu certo? Paciência e bola pra frente.

  1. Fale sobre os alimentos

Aqui a dica é você se dar um tempo para aprender a cozinhar melhor, testar novos temperos, novas receitas e até se aventurar com alimentos novos. Sempre compra cenoura, batata e beterraba? Então, na próxima semana, aventure-se a fazer também novos legumes que não costuma ter em casa. Sempre faz a batata de um jeito? Então, faça um preparo diferente. Mas sempre converse com seu filho sobre isso, mostrando que é muito legal aprender coisas novas sobre os alimentos e seus preparos.

  1. Chame seu filho para a cozinha

Sabe quando a criança pequena quer a sua atenção e você precisa fazer o almoço ou o jantar? Aproveite para levá-la para a cozinha. Deixe ela ver como você cozinha, peça para ajudar em alguns processos, como temperar a comida, lavar o arroz, as verduras e os legumes, além de colocar os alimentos na assadeira ou na panela.

  1. Faça comidas criativas e divertidas

De vez em quando, crie pratos divertidos compondo os alimentos em formatos de bichos, árvores, flores e paisagens. Você pode fazer uma surpresa para seu filho no café da manhã ou em uma refeição principal. E não precisa ser o melhor desenho do mundo. Aliás, quanto mais simples e prático de fazer, melhor. Inclua nessa comida criativa um alimento que seu filho está se mostrando mais resistente a comer. Outra ideia é chamar a criança para montar junto com você uma comidinha divertida.

  1. Preste atenção às cores

Quanto mais colorida a refeição, mais sabores para vocês experimentarem. Mas faça disso um hábito. Eu sempre converso com a minha filha que o legal é ter cinco cores no prato, ou seja, cinco alimentos de cores diferentes. Eu digo: “olha como meu prato está bonito, tem cinco cores! ”. E aí a gente vai nomeando os alimentos e contando as cores.

Já reparou nas lindas cores da beterraba e da cenoura? São cores fortes, vibrantes, que você pode valorizar junto ao seu filho, seja simplesmente falando, seja fazendo comidas criativas com elas, por exemplo.

  1. Valorize a natureza

Procure na sua cidade locais com hortas urbanas, praças ou casas de parentes que tenham hortas e árvores frutíferas, por exemplo. Mostre-se curiosa sobre a natureza e os alimentos e envolva seu filho nesse processo, estimulando sua aproximação com esse universo. Será que ele sabe o nome das árvores frutíferas e que muitas também dão flores? Quanto mais vocês se aproximarem dessa realidade, melhor. Um passeio frequente até uma amoreira ou limoeiro da vizinhança, por exemplo, pode se revelar uma experiência que seu filho irá lembrar para o resto da vida.

  1. Fique atenta aos cheiros

Preste atenção aos cheiros que vêm das suas panelas e do seu forno. Perceba o aroma de fazer um refogado de cebola e alho, e a diferença de refogar utilizando linguiça, por exemplo. E, claro, sempre fale sobre isso espontaneamente com seu filho.

  1. Não pressione

Para todas as dicas anteriores, se a criança falar em algum momento “não quero”, simplesmente não brigue ou force seu filho a comer. Procure fazer um momento de refeição sem pressão. Além disso, nunca rotule o seu filho. Dizer diretamente para ele ou para terceiros que “ele é difícil para comer” em nada vai ajudar. Pense que é só uma fase e vai passar. Continue oferecendo e mostre o quanto é bacana experimentar. Eliminar a tensão e dar lugar ao amor ajuda você a se conectar com seu filho por meio da alimentação.

  1. Não esqueça da pitadinha de amor

Outra forma de estimular a curiosidade das crianças pequenas é conversar espontaneamente sobre como o alimento foi preparado. “Humm, o que será que tem aqui nesse arroz? Ah, já sei: cebola, uma pitadinha de sal e uma pitadinha de amor! ”. Você também pode pedir para a própria criança colocar a pitadinha de amor na hora do preparo. A minha filha inventou a dela: junta os dedinhos, encosta no coração e dá um beijinho nos dedos juntinhos, jogando então a sua pitadinha de amor na comida.

 

Cada criança e famílias são únicas, mas dá para adaptar essas dicas a diferentes realidades. Por fim, uma última sugestão: procure cozinhar mais atenta ao momento presente e observe com mais atenção as delícias que você faz no dia a dia para você e sua família. Bom apetite!

Mariana Branco é mãe da Manuela (5 anos), jornalista, autora do blog Mamãe Prática e do Criando AMORas, especializado na conexão mãe e filho por meio da alimentação.




Deixe uma resposta

Your email address will not be published. Required fields are marked *